Menu
Notas pessoais / Realização

Alma de artista

Fotografia de Telma Antunes

Tanta coisa a acontecer. Tanta coisa a acontecer. Pássaros a voar, o mar a bater, um avião no céu a passar, e a lua a chegar. As pessoas a verem o pôr do sol, e uma alma irmã de artista a fotografar, com cuidado, a beleza que vê. Dois pescadores conversam em frente das ondas, com as suas canas de pesca na areia. O pôr do sol põe-se. Os meus pés caminham e a minha alma sente. O céu está simplesmente azul, lá em cima, onde não está rosado.

Vejo-te de novo, alma irmã, a fotografar. Reconheço a alma de artistas ao longe, não preciso de me aproximar. Reconheço pela familiaridade, pela forma como olha, como vê, pela forma como sente, e respira. Pela forma como está presente. Por necessidade de devolver ao mundo a sua beleza. Por necessidade de ir além da reflexão e criar mais beleza, na prática.

Talvez seja isso um artista. Aquele que devolve ao mundo, aquilo que nele vê.

Ah… Então é por isso que eu fui feita tão sensível. Então é por isso que tantos artistas são tão sensíveis, e nos dizem tudo aquilo que sentem, que lhes custa, que lhes dói, mas também que amam. É por isso então que os artistas são tão sensíveis, é por isso que as pessoas sensíveis também são artistas. É por isso. São feitos espelhos, para devolver ao mundo, aquilo que o mundo lhes dá.

Alma de artista tem que saber parar, para observar, para escutar, e sobretudo para receber e sentir, aquilo que está a vir do mundo para si, aquilo que o mundo lhes está a fazer sentir, aquilo que tudo lhes está a fazer sentir. Alma de artista tem que ter tempo, tem que viver devagar, para poder sentir, e devolver. Sentir, e devolver. Ver, e falar. Não há outra forma. Um artista, tem que viver devagar. Tem que ter tempo para observar os mais pequenos pormenores, sentir as maiores subtilezas. Tem que ter tempo para sentir a sua própria respiração, e a respiração do mundo, a respiração da gaivota que voa à sua frente, e ao seu lado.

Para o artista, ele está ao lado de tudo. Não tem ninguém em cima nem em baixo dele. O artista vê tudo como seu irmão, irmã, seu igual. Porque vê – sente – tão próximo, tão íntimo.

Alma de artista. Uns mais do que outros, todos temos um bocadinho alma de artista. Mas uma alma de artista, sabe que o é. Não há outra forma, se não sabe, vai saber. Alma de artista, tem que fazer arte, tem que devolver o que vê, para não morrer de amor engolido e viver sim, de amor vívido, tão vívido, sempre vívido.

Alma de artista.

No Comments

    Leave a Reply